Segundo o INEP (2014), cada uma das quatro áreas do conhecimento avaliadas no Enem possui uma escala própria, uma vez que avalia construtos distintos nas seguintes áreas: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; Matemática e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; e Ciências Humanas e suas Tecnologias.

A interpretação pedagógica dessas escalas é importante para ampliar a compreensão acerca do significado das proficiências e dos parâmetros de dificuldade dos itens, ou seja, a interpretação das escalas do Enem busca oferecer um sentido qualitativo e pedagógico às estimativas quantitativas.

Para facilitar as intervenções pedagógicas, segundo os domínios dos estudantes por área de conhecimento, a Geekie realizou três cortes na escala Enem, o que gerou quatro níveis de domínios. Tais níveis não foram qualificados do ponto de vista da nomenclatura, mas das tarefas que os estudantes conseguem realizar. 

O primeiro corte, Nível 1, ocorre no ponto 450 da escala. Tal valor foi escolhido por apresentar operações cognitivas básicas para os concluintes da Educação Básica. Esse corte é utilizado como critério de política pública para a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições de ensino superior privadas    (http://prouniportal.mec.gov.br/informacoes-aos-candidatos/26-ha-uma-nota-minima-para-participar-do-processo-seletivo-do-prouni).

O segundo corte na escala ocorre no ponto 600, criando o Nível 2, que abrange o intervalo entre > 450 e ≤ 600. O ponto 600 é utilizado para que o estudante possa concorrer a bolsas de graduação no programa Ciência sem Fronteiras do Governo Federal (http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/graduacao). Para fins pedagógicos, os estudantes que estão neste intervalo, Nível 2, possuem conhecimentos mais sofisticados do que aqueles que estão no Nível 1, mas não possuem proficiência suficiente para concorrer a bolsas de graduação no Ciência sem Fronteiras. Ainda assim, neste intervalo de proficiência, os estudantes podem concorrer, via SISU (Sistema de Seleção Unificada (http://sisu.mec.gov.br), a diversos cursos na universidades federais e privadas.

O terceiro corte gera o Nível 3, que está no intervalo entre ≥ 600 e < 700. Neste nível, os alunos estão aptos a concorrer ao Ciência sem Fronteiras na modalidade graduação e na maioria dos cursos de engenharias e biomédicas pelo SISU. Esses estudantes apresentam domínio apurado dos conceitos nas áreas, além de conseguir aplicá-los em situações-problema.

O Nível 4, produzido a partir dos cortes realizados pela Geekie na escala do Enem ≥ 700, aloca os alunos com grandes possibilidades de concorrer aos cursos mais cobiçados nas universidades, tais como engenharias de ponta, medicina etc. Esses estudantes resolvem desafios complexos e propõem soluções, a partir do conhecimento formal, para problemas com alto grau de complexidade.